sábado, 6 de setembro de 2008

Envelheço na cidade

Muitas viagens depois ele retorna para sua sala. Ele está feliz, ele está inconsolável. Não pensa, só escreve. Conta muita coisa, mas não revela nada.
Há muito tempo q não pensa. Não consegue mais pensar, não consegue mais parar. Quer viver, louca e inadvertidamente. Viver sem sentido, sem razão, simplesmente viver. Os sonhos são mais reais q os fatos, apenas um pouco menos palpáveis.
Uma vida plena e vazia. Já não tem esperanças, só sonhos flutuantes. Errante, errado, muito certo. Sua mente foi perdida em algum momento do tempo, e o q restou foi o espaço.
Certo da sua incompreensão, ele parte. Fazendo o q sempre renegou, pregando a contradição. Não versa, não há prosa.
Coexiste na inexistência.
Não pensa, expõe pensamentos.

6 comentários:

Anônimo disse...

Pregando a contradição, semeando a discórdia..
Muito bom, grande estilo.

Misrael

Holly disse...

Olha que não conhecia este lado introspectivo...ou reflexivo....

"Não pensa, expõe pensamentos" - gostei disto. Realmente existe um grande abismo entre os dois.

Se cuida!!!

caurosa disse...

Meu caro Silvakov, ...viver, louca e inadvertidamente. Viver, simplesmente viver. Eu acho que é o melhor caminha para se envelhecer. Parabéns pelos belos textos.

Forte abraço

CAUROSA - caurosa.wordpress

Anônimo disse...

"Os sonhos são mais reais q os fatos, apenas um pouco menos palpáveis"
:P
Essa parte me cabe.

Raposa disse...

Que fossa... Falta um pouco de, hum... vontade não é a palavra, pq vontade de viver vc já tem. Será que não falta um rumo? Sonhos a alcançar, desafios a conquistar? É ver onde você quer chegar e trilhar os caminhos pra chegar lá.
Devo ter lido isto em algum biscoito chinês... Não conheço minhas referências

TATIANA REZENDE disse...

Peraí, deixa eu ver se entendi...