segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Trabalhando

Vinda de mim, essa afirmação é incomum. Raramente sinto-me preocupado o suficiente para dizer tal blasfêmia...
Mas semana passada foi diferente. E hoje tudo está acabando (ou começando, depende do ponto de vista acadêmico...).
Meu corpo ainda não entendeu q eu trabalho (no sentido laborial da palavra...) das 8 às 12 (da madrugada), mas isso é culpa em grande parte do meu cérebro. De qualquer forma, durmo das 4 às 7 (nas noites longas), e qndo a morte me ameaça, durmo tbm das 15 às 19...
Mas essas foram as duas últimas semanas, daqui pra frente, tudo vai ser... igual...
ou não
Aí vem a pergunta: algum dia você já fez alguma coisa de fato? pois é, teve um ano em que eu ia pra faculdade de manhã e pro trabalho a tarde. Eram 11 horas verdadeiramente recheadas, mas eu não reclamava. Vai ver o trabalho mental era mínimo...
Ao fim e ao cabo, não levem meu texto ao pé da letra. Não o encarem como uma reclamação: vejam-no como uma síntese cansada de quem não dormiu. Estou feliz. Quase uma Polyanna, se é que pollyana sorria de tudo e não reclamava de nada. Não li pollyana, só sei q ela era muito positiva (tinha o jogo do contente tbm...). Talvez tenha sido a primeira autora de auto-ajuda...

7 comentários:

Tatyan disse...

rsrsrsrssr
Vc é uma figuraça...
:P
E o q é q eu digo sobre meu cotidiano... Trabalho, facul, filho... Mesmo quando meu corpo ñ quis entender tantas mudanças minha mente ñ deu sossego e meu corpo se rendeu ao novo ritmo, novos horários, falta de horas a mais no dia...
Problema resolvido = organismo condicionado.
^.^
Bjos*** no coração!!!

Cristal - a louca. disse...

Não perdeu porra nenhuma, o livro é uma merda e essa menina é uma chata. rsrsrs.

Beijundas ^^

TATIANA REZENDE disse...

Eu também tive uma fase assim, só que ela durou três longos anos. Acordava às 4h50, ia para a faculdade. Da faculdade ia para o trabalho e duas vezes na semana ainda ia para o curso de inglês à noite. Não sei como não morri.
Mas tudo nessa vida passa...
Coragem!

Raposa disse...

Tem também Amely Polain ou coisa parecida. Pollyana só vi o filme, e tem também a sua irmã, né^^
Enfim... tem algo que talvez possa te deixar um pouco mais contente e otimista então. Demorou, mas tá lá no meu blog a prova de que já fiz as camisetas-prêmio que sorteei. Logo-logo a sua chega por aí.

Abração, cara. E se cuida!

Anônimo disse...

Eu li o livro, achei uma gracinha quando tinha 11 anos (ou menos). Mas nunca conheci ninguém que parecesse menos a Pollyanna que vc xD (ou talvez conheci)

KA disse...

Tá louco?! Se eu dormir este número de horas viro um Zumbi e passo o dia inutilmente sonâmbula. Preciso de 9 horas de sono - no mínimo. Não é vagabundisse. É coisa de organismo mesmo.
E além disto, adoro dormir. É o que faço com maior competência!

Se cuida!

caurosa disse...

Olá Silvakov, segundo um nobre colega do ramo: O homem é o que ele dorme. Na verdade, não sei bem se isso funciona. Eu já trabalhei sete dias por semana, durante três anos, aproximadamente oito horas. O resultado para o meu corpo não foi bom. E o que é pior, não ganhei dinheiro. "Cada cabeça uma sentença", de qualquer forma muita paz, inspiração e harmonia para você.

Forte abraço.

caurosa.wordpress.com